Início Destaques Allah o Único

Allah o Único

26
0

A existência de Allah (Deus o Único) é tão evidente que não é necessário nenhum argumento para demonstrá-la. Alguns eruditos argumentaram que a existência de Allah é mais patente de que a dos seres restantes.

Porém, ocorre que os que estão privados de perspicácia não O podem ver. Outros disseram que Ele não se pode perceber de maneira direta devido à intensidade de Sua auto-manifestação.

Sem dúvida, a grande influência do positivismo e materialismo sobre a ciência humana torna necessária a reflexão sobre esses tipos de argumentos. Essa maneira de ver as coisas reduz a existência ao que apenas pode ser diretamente percebido pelos sentidos, de modo a impedir a percepção das dimensões invisíveis da existência, as quais são muito mais que as visíveis. Como temos que apartar os véus do materialismo e do positivismo, vamos ter de examinar brevemente algumas das demonstrações tradicionais que explicam a existência imprescindível de Allah.

Antes de começar, é preciso manifestar que desde o próprio início da vida humana, a maioria da humanidade tem acreditado na existência de Allah. E só isso seria suficiente para provar Sua existência. Os não crentes não podem asseverar que têm uma superioridade intelectual sobre os crentes pelo fato de muitos desses últimos serem cientistas inovadores, eruditos, pesquisadores e, o mais importante, santos e profetas – os especialistas nesse campo.

Além disso, as pessoas confundem a não aceitação da existência de algo com a aceitação de sua inexistência. Enquanto o primeiro é somente uma negação ou um rechaço, o segundo é um juízo que precisa ser provado. Ninguém tem podido confirmar a inexistência de Allah, nem pode fazê-lo. Pelo contrário, os argumentos que provam Sua existência são inumeráveis.

Esse ponto se pode esclarecer com a seguinte analogia: imagina-se um grande palácio com 1.000 portas, das quais 999 estão abertas e uma delas está fechada. Como podem dizer que não se pode entrar nesse palácio? Isto é o que fazem os incrédulos, limitando sua atenção e a de outros unicamente à porta que parece estar fechada. As portas à existência de Allah estão abertas para o mundo todo, sempre que tentem entrar sinceramente.

Algumas dessas portas – os argumentos a respeito da existência de Allah – são as seguintes:

1. A criação é contingente. Em outras palavras, existe a mesma possibilidade de existir ou não para todo o criado. É também possível que algo nasça em qualquer tempo, lugar e com qualquer forma ou caráter. Nada ou ninguém pode determinar como, quando ou onde vai nascer nem de que modo será seu caráter ou feições. Algum poder deve decidi-lo. Esse poder tem de ser infinito, ter vontade absoluta e amplos conhecimentos. Necessariamente, esse poder é Allah.

2. As coisas são limitadas. Todas as coisas mudam. E uma vez que tudo está limitado pelo tempo e o espaço, deve haver um começo e um fim. Todo o criado deve ter um criador infinito; tal como seria inaceitável o pensar continuamente em quem é o criador de cada uma das existências, a razão exige a existência de alguém, um ser superior que seja infinitamente autossuficiente e autossustentável o qual nunca mude. Este é Allah.

3. A vida. A vida é um segredo transparente. É um mistério que os cientistas não são capazes de explicar com argumentos materiais e é transparente por refletir um Poder Criativo. Por meio dessas duas características a vida declara: “quem me criou é Allah”.

4. Ordem na criação. Todas as coisas no universo e o universo em seu conjunto estão ordenados de forma harmoniosa. Isso se pode observar em todos os objetos e em sua inter-relação harmoniosa. Isso é verdade de modo que a existência de uma parte necessita da existência do todo o inteiro; da mesma maneira que a existência do todo requer a existência de todas e cada uma das partes. Uma única célula deformada pode causar a morte do corpo inteiro. De modo similar, uma só romã para existir precisa da existência colaborativa e cooperativa do ar, água, terra e sol, além de sua mútua e equilibrada cooperação. Dita reciprocidade e harmonia assinalam para o criador da ordem, conhecedor de tudo na soma total das relações e características, ou seja, quem pode pôr tudo em ordem. O Criador dessa ordem é Allah.

5. Arte na criação. Toda a criação manifesta uma arte de grande valor. Pelo visto, foi criada de um modo fácil e rápido. Ademais, a criação está dividida em incontáveis famílias, gêneros, espécies e, inclusive, cada um dos menores grupos possui por sua vez muitos membros. Apesar dessa variedade e abundância, somente vemos a ordem e a arte como algo fácil. Isso demonstra a existência de alguém com um poder e conhecimento absoluto: Allah.

6. Finalidade na criação. Tudo aquilo que existe no universo tem uma finalidade. Como a ecologia demonstra em particular, tudo na criação, não importa quão insignificante que possa parecer, tem sempre um papel significativo na existência e serve certamente para algo. A cadeia da criação no curso da humanidade, o último elo na criação, está evidentemente dirigida em direção a um propósito final. Como esse sistema necessita de alguém que imponha objetivos à criação e apenas a humanidade tem a consciência necessária para levar adiante tais finalidades, a sabedoria e a orientação da criação apontam para Allah.

7. Misericórdia e providência. As necessidades de todos os seres e especialmente as dos seres humanos são intermináveis. Mas eles, de maneira independente, são incapazes de obter nem o mínimo que seja. Por exemplo, o mantimento do universo exige a existência de algumas leis universais como o crescimento, a reprodução, a atração e a repulsão. Contudo, essas “leis naturais” não existem exteriormente, não são visíveis e sua existência é totalmente invisível. Assim, como pode algo que existe somente de maneira invisível e que não tem conhecimento nem consciência, ser o responsável de uma criação miraculosa que requer absoluto conhecimento e sabedoria? Como pode ter o poder da escolha e da preferência? Portanto, alguém que tem todos esses atributos tem estabelecido essas leis naturais e as usa para encobrir Suas atuações com um propósito concreto. As plantas precisam de ar, água, luz e calor; mas elas não os podem conseguir por si mesmos. Nossas necessidades são infinitas; afortunadamente todas nossas necessidades essenciais, a partir do início de nossa existência nesse mundo até à morte, são cobertas por Alguém que está além da nossa capacidade e intervenção. Nós viemos para esse mundo e encontramos tudo pronto para recompensar os nossos sentidos e as necessidades tanto intelectuais quanto espirituais. Isso vem demonstrar claramente que Alguém, que é infinitamente misericordioso e está informado de tudo, provê a todos os seres criados do modo extraordinário e faz com que todas as coisas colaborem para esse propósito.

8. Ajuda mútua. Como foi mencionado anteriormente, tudo no universo está a serviço de tudo o que existe. Essa ajuda mútua é completa, como é demonstrado pelo fato de todas as coisas – incluindo o ar, a água, o fogo, a terra, o sol e o céu – nos servirem de um modo extraordinariamente harmonioso assim como as células do corpo, os membros e os sistemas cooperam para manter-nos vivos. A terra, o ar, a água, o calor e as bactérias colaboram para conservar as plantas vivas. Essa cooperação e ajuda mútua, percebidas entre os seres sem consciência, requerendo conhecimento e objetivos deliberados, demonstram a existência do Uno, Que dispõe deles de maneira miraculosa.

9. A limpeza. Desde que começamos a contaminar nosso ar, água e terra, o mundo natural começou a limpar-se e purificar-se continuamente. Agora, inclusive, preserva sua pureza original em muitas regiões onde ainda não tinham aparecido as influências da civilização moderna. Você já se perguntou alguma vez por que a natureza é tão pura, por que os bosques estão bem limpos, apesar de todo dia morrerem muitos animais dentro deles? Você considerou alguma vez que, se as moscas, as nascidas somente no transcurso de um verão, tivessem sobrevivido, o nosso planeta estaria coberto totalmente com os corpos mortos delas mesmas? Você levou em conta que nada na natureza é desperdiçado ou tirado? Pois é, cada morte é o começo de um novo nascimento. Assim, por exemplo, um cadáver se apodrece e se integra na terra; logo os elementos morrem e voltam a nascer nas plantas, as quais por sua vez morrem no interior dos estômagos dos bichos ou seres humanos proporcionando-lhes um bom nível de vida. Esse ciclo de morte e renascimento é uma das razões da constante limpeza e pureza do universo. E também as bactérias e os insetos, os ventos e a chuva, os buracos negros e o oxigênio, todos juntos servem para conservar e perpetuar a pureza do universo. Essa pureza assinala o Uno que é o Santificado e cujos atributos incluem a limpeza e a pureza.

10. Rostos. O número de seres humanos que já viveram desde a criação de Adão é incontável. Apesar de sua origem comum – um pingo de espermatozoide e um óvulo, formados pelo mesmo tipo de alimentos que consomem os nossos pais – e embora estejam compostos da mesma estrutura, elementos e organismos, ocorre que em cada pessoa adquirem diferentes traços aos de outros. Isso indica o Uno, com liberdade absoluta de escolha, possuidor de amplos conhecimentos de tudo. Com efeito, este é Allah.

11. Ensinamento e guia divino. Dar ordem a nossas vidas e aprender o que é bom e o que é mau custa no mínimo quinze anos da nossa vida. Contudo, muitos animais adquirem esse conhecimento pouco depois de seu nascimento. Um patinho pode nadar assim que sai da casca do ovo. As formigas começam a cavar formigueiros na terra no instante que deixam seu casulo. As abelhas e as aranhas rapidamente aprendem como fazer sua colméia e teia, respectivamente; as quais são maravilhas que nós não somos capazes de produzir. Quem ensina às jovens enguias nascidas no Oceano Atlântico a encontrar seu caminho para um novo lar no Oceano Pacífico? A emigração dos pássaros continua sendo um mistério. Como você pode explicar esses fatos incríveis sem atribuí-los ao ensinamento e ao guia do Único, que sabe tudo e dispôs o universo e seus habitantes de modo que eles mesmos passem a dirigir suas vidas?

12. O espírito e a consciência. Apesar dos enormes avanços científicos, não somos capazes de explicar a vida. A vida é um presente do Uno, do Eterno, Quem “insufla” um espírito em cada embrião. Nossa ignorância sobre a natureza do espírito e sua relação com o corpo não pode ser argumento de negação de sua existência. O espírito se envia a esse mundo para aperfeiçoar-se e adquirir um estado apropriado para a Próxima Vida. Nossa consciência é o centro de nossas tendências em direção ao bem e ao mal. Todo mundo sente essa consciência em algumas ocasiões. Por isso, o espírito e a consciência são argumentos muito fortes para demonstrar a existência de Allah.

13. Nossa predisposição inata e a história. Estamos predispostos de modo inato para o bem e o belo e somos contrários ao mal e o feio. Por outro lado, temos inclinação pelas virtudes e os valores morais. A não ser que fiquemos corrompidos por fatores ou condições externas, sempre procuramos o bem e os valores morais universais. Esses valores são as mesmas virtudes e a moralidade difundida e divulgada por todas as religiões divinas que já foram reveladas. Somos testemunhas do que na história a humanidade nunca permaneceu sem alguma religião. Como nenhum sistema substitui à religião, os profetas e as pessoas piedosas sempre se constituíram nas pessoas mais influentes, deixando marcas indeléveis na história do gênero humano. Essa é uma das provas irrefutáveis da existência de Allah.

14. Intuição humana. Temos muitas intuições e emoções que são um tipo de mensagem que provêm do mundo do Invisível. Entre elas, a intuição da eternidade desperta um desejo de eternidade entre nós, o que nos faz procurar as diversas maneiras de obtê-la. Contudo, isso só pode ser realizado de um só modo: acreditando e adorando ao único Deus, Allah, Quem nos inspira essa intuição e esse desejo. A verdadeira felicidade do homem está na satisfação de dito desejo de eternidade.

15. Consenso. Se uma pessoa da qual sabemos que nunca disse a verdade durante a sua vida aproxima-se de nós e fala-nos várias vezes a mesma coisa, talvez tenhamos que acreditar nela por falta de alternativa. Mas, se milhares de profetas que nunca mentiram para nós e muitos santos como crentes, que adotaram a veracidade como pilar essencial da crença, concordam que Allah existe, como podemos rechaçar seu testemunho pelo fato de que apenas algumas pessoas sejam mentirosas?

16. O Alcorão e as outras Sagradas Escrituras. As provas que demonstram a origem divina do Alcorão também são as provas da existência de Allah. O Alcorão repete com ênfase e força em demasia, do mesmo modo que a Bíblia o faz em suas partes não deturpadas, sobre a existência de Allah.

17. Os Profetas. Milhares de profetas vieram e orientaram aos seres humanos em prol de um caminho reto. Todos eles foram conhecidos por sua veracidade e muitas outras virtudes. Todos eles deram prioridade à pregação da existência e unidade de Allah.