Início América Latina Pela primeira vez, oficial de polícia muçulmana usa o véu “Hijab” na...

Pela primeira vez, oficial de polícia muçulmana usa o véu “Hijab” na Grã-Bretanha

34
0

Da mesma forma, continua desconhecida a natureza da liberdade das mulheres e dos homens no universo europeu laico, que alega erroneamente ser a mãe das civilizações, da democracia e da liberdade, embora, pregadores do nudismo, ainda encontram nesse universo total liberdade para tirar suas roupas e suas calças, seja nas praias ou nas ruas. Aliás, ouvimos falar também de “praias de nudismo”, onde o acesso só é autorizado se as pessoas estiverem nuas, sem decência e sem dignidade humana, que os caracterizam como “descendentes de Adão”.

Apesar de tudo, nota-se algumas exceções em alguns países ocidentais como a Grã-Bretanha, que tolerou o uso do véu por uma policial recém convertida ao islamismo, durante o expediente. Ela disse: “sinto que o meu véu os provoca e eles me chamam de traidora”.

Yasmine Rahman policial britânica que insistiu em usar seu hijab no trabalho. Ela é a primeira policial britânica vestindo um hijab durante o trabalho.

Após converter-se ao Islamismo, a policial mudou o seu nome de batismo e passou a se chamar “Yasmine Rahman”.

Hoje, ela considera o Islam a religião mais próxima ao coração das pessoas e vê que os objetivos da vida neste e no outro mundo são mais bonitos através dos ensinamentos do Islam.

Yasmine, que é Oficial da polícia de trânsito, entende bastante da religião islâmica. Ela declarou que, antes do pronunciamento do testemunho, seu pensamento era laico e não era adepta de qualquer religião, e nem frequentava a Igreja.

Mas hoje, ela consegue sentir a religião islâmica como um vínculo que conecta a pessoa diretamente com Deus através da unicidade Divina e da adoração, que faz reinar o silêncio e a tranquilidade na alma, e traz felicidade à criatura por meio desta relação única, que envolve amor, temor, esperança e obediência a Deus todo Poderoso.

A policial Yasmine reconhece que foi viciada em álcool antes de se converter ao Islamismo, e sente remorso ao lembrar os tempos em que frequentava o mundo da bebida em companhia de suas amigas. Ela esclarece que a conversão ao Islamismo e o pronunciamento do Testemunho – “Achhadu An Lá Iláha illa Allah wa Achhadu anna Muhammadan Rassulullah” (Testemunho que não há outra Divindade além de Deus e que Muhammad é o Seu Mensageiro) – em uma mesquita no leste de Londres, no final de abril do ano passado, são um marco em sua vida e um divisor entre a verdade e a mentira.

Este é o verdadeiro significado da adoração a Deus, que reúne de uma só vez, o bom sentimento, a boa conduta e a sinceridade na adoração a Deus, através da Oração, Jejum, “Zakat”, leitura do Alcorão, amor ao próximo e a ajuda aos mais necessitados, independentemente de religião, cor ou sexo, tal como o Profeta do Islam, Muhammad ﷺ, que a Paz e a Bênção de Deus estejam sobre ele, recomenda em sua mensagem: “Não existe privilégio de árabe sobre estrangeiro, nem de branco sobre o negro, salvo na adoração a Deus”. Yasmine descreve sua vida após ter abraçado o Islamismo e reconhece que está aos poucos descobrindo um novo mundo, que a faz sentir a fé e ter calma em seu coração, e que se viu livre de muitos pecados. Ela lembra esse momento dizendo: “a calma que eu senti era Divina, foi quando percebi que era chegado o momento de vestir o véu, após a permissão das autoridades policiais britânicas. Tive a certeza de que Deus me iluminou e passei a saborear o prazer da fé, que é o sentimento mais bonito que uma pessoa pode viver neste mundo”.

Chateada com as provocações alheias, Yasmine acrescenta: “Durante os turnos de trabalho, muitas vezes ouço palavras de provocação – em referência ao trabalho que ela realiza usando o véu “hijab” na estação de trem de Waterloo, em Londres -. Na maioria das vezes procuro não dar ouvidos a tais declarações, que refletem a ignorância de alguns indivíduos”.

“Esperava uma reação impetuosa por parte de alguns membros da sociedade e maior compreensão dos membros da minha comunidade e daqueles que não me conhecem…Tudo que descobri no Islam, relativo aos direitos da mulher, é totalmente diferente daquilo que até então, havia chegou aos meus ouvidos. Aliás, posso confirmar que o Islam confere à mulher os mesmos direitos garantidos ao homem, tais como o direito à educação, direitos da mulher casada, direito de receber herança e muitos outros direitos…” disse Yasmine.

A policial destaca a grandeza do Alcorão e cita como exemplo, a “Surata” de “Maryam” (Maria) que inocenta a Virgem Maria das acusações que lhe foram atribuídas e fala do nascimento de Jesus, que a paz esteja com Ele. Sobre seus conhecimentos em relação à religião, Yasmine acrescenta: “Soube que a primeira pessoa a se converter ao Islamismo foi uma mulher, Khadija, esposa do Profeta, que a Paz e a Bênção de Deus estejam sobre Ele, e que o primeiro mártir do Islam foi também uma mulher, Soumeyya, esposa de Yasser Bin Ammar, cuja família foi lembrada nas palavras do Profeta ﷺ: “Paciência família Yasser, Eu vos prometo o Paraíso”.

A policial prossegue dizendo: “Soube que Deus colocou o Paraíso sob os pés das mães, também tomei conhecimento da palavra do Profeta, que a Paz e a Bênção de Deus estejam sobre Ele, ao responder a um homem que o procurou para saber dele quem era merecedor de sua boa convivência, ao que o Profeta respondeu: sua mãe (repetindo a palavra três vezes) e depois seu pai. Soube também, que o Islam não é uma religião da violência e do extremismo, mas sim, da paz, do amor e da misericórdia, que respeita o direito das pessoas, incentiva a ajuda aos pobres e necessitados, e acredita na liberdade e no respeito às crenças dos outros. Mesmo quando se trata de vizinhos, sejam eles muçulmanos ou de outras religiões, o Profeta, que a Paz e a Bênção de Deus estejam sobre Ele, nos recomenda ser solidários e ajudá-los quando precisarem”.

Sobre a importância do vizinho, o Profeta ﷺ jurou três vezes que “Não é considerado um verdadeiro muçulmano aquele que dorme bem alimentado enquanto o seu vizinho passa fome”. Com esta preocupação e com este nobre sentimento para com as pessoas, resta-nos perguntar: Qual a religião que tem a grandeza do Islam e qual a lei que concede ao homem mais direitos do que a religião islâmica?